segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

O que acontece após a morte?

O que acontece após a morte?


Após a morte, nossa alma vai para o paraíso? Para o inferno? Purgatório? Reencarnar? Muita se fala, se argumenta. Mas, afinal, nossa alma tomará algum desses caminhos?


Alma

A vocábulo “alma” é derivado de anima (do latim) que significa vida Onde está a vida após a morte? Para mim, a palavra “alma” só faz sentido quando relacionada ao organismo vivo. É a energia que faz cada ser viver. O sopro de vida, se assim podemos dizer.


Origens

A vida do povo, de uma forma geral, é sofrida, cheia de dificuldade. Trabalhos árduos. Em todas as civilizações ao longo da história foi assim. E para amenizar esse sofrimento e criando uma esperança pós-morte, os homens desenvolveram a idéia de paraíso e que neste lugar estaria junto a D'us. Um lugar onde não há sofrimento.

Mas a crença de uma vida após a morte também tem um aspecto político e social. Nos processos de formação das grandes religiões, que estavam ligadas ao poder secular, eram necessários dogmas para manter o povo sob controle. Maimônides, no Guia dos Perplexos, diz que existem dogmas necessários para a ordem social. Na época de Moisés, ao libertar seu povo do Egito, guiava um povo ignorante, que não poderia compreender o que Moisés queria ensiná-los e mantê-los unidos usando argumentos que necessitassem da razão. Então Moisés foi obrigado a utilizar da figura de um D'us que se irrita com a desobidiência, que os castiga caso não siga seus mandamentos. Spinoza disse que a Lei mosáica foi escrita para manter a ordem no povo que era rebelde.


Os “destinos” de nossas almas.

No cristianismo, após a morte teremos dois destinos: ou o paraíso ou o inferno. Na Igreja Católica, além desses, há um estado intermediário entre o paraíso e o inferno: o purgatório. Vamos falar mais longamente sobre a visão do catolicismo, pois os outros segmentos cristão são uma extensão desta.

Pela visão da Igreja de Roma, só há salvação em sua igreja e esta é a única religião correta. Quem não for as missas aos domingos, não se confessar, não comungar, estará em “pecado mortal” ou seja, quando morrer vai direto para o inferno. Para a visão da Igreja, não basta um sujeito ter uma boa conduta, fazer o bem. Se não acreditar que a única salvação é Jesus Cristo, esse sujeito vai para o inferno. E vejam: se alguém durante a vida inteira fizer coisas erradas e que, reconhece seus erros e acredita na salvação em Jesus, não vai para o inferno! O paraíso é o local para onde os homens santos vão. Fiéis seguidores dos mandamentos da Igreja, tendo uma vida humilde. O purgatório é para onde vão os que não estão nos chamados “pecados mortais” e ali ficam até o retorno de Cristo. Já o inferno (que, em latim, significa inferior) é a condenação eterna ao fogo. Não tem saída!

A Igreja fazia parte do poder nas monarquias européias durante séculos. Detinha ( e detém ) muitas posses. E para sustentar perante o povo a soberania e legitimidade dos reis, alegava que a estes D'us outorgara os poderes na Terra. E não é atoa que as coroações dos monarcas eram feitas pelos papas. Para manter esse poder e manter as arrecadações para sustentar tantas luxuosas, os sarcedotes amedrontam o povo ignorante, fazendo com que este (o povo) fique sempre ligado à Igreja. Então por isso é mais importante ir a igreja e acreditar em Cristo do que a prática do próprio bem.

Nas religiões orientais (budismo, hinduísmo) há a crença da metempsicose (transmigração das almas) mais conhecido como reencarnação. Ao longo da vida, o indivíduo conforme suas ações, se ele comete algo contra a lei cósmica, vai adquirindo carma que, numa próxima existência, ele terá que “pagá-la” . E vai reencarnando até não ter mais carma, acarretando isso na evolução da alma. Quando não tiver mais carma, a alma vai para o Nirvana (no hinduísmo). A palavra nirvana tem significado próximo de “cessar o fogo”, pois enquanto tiver o “fogo” na alma, esta necessita de novas vidas até apagar.

No espiritismo, as almas vão reencarnando para evoluir, ir aprendendo ao longo das várias vidas. E a reencarnação seguinte será de acordo com o que o indivíduo realizou ao longo de sua vida.

Na visão panteísta ( D'us é a Natureza), nosso corpo é o microcosmo (o homem que é o pequeno universo) e que, ao morrermos, nossa alma se junta ao macrocosmo (o grande universo).


Reflexões

O homem sempre busca uma explicação para as coisas girando em torno de si. Por que teria que existir uma vida após a morte? Vejo em muitos adesivos de carro o dizer: “Reencarnação, uma questão de justiça.” Por que justiça? Eles alegam que não seria justo apenas uma vida. Tem que haver outras para que tenhamos oportunidade de fazer tudo. E também que o nosso tempo de vida é muito curto. Homens! O mundo NÃO foi criado para vocês! Na Natureza há leis morais que julgam como boa ou má a conduto de um indivíduo? Para D'us não há bem e nem mau. Esses valores não cabem a eventos naturais, só no referencial humano. Não existe um bem absoluto e nem um absoluto.

E o inferno? Quando a Igreja diz que quem não acredita na divindade de Cristo, vai para o inferno (fogo eterno). Como D'us pode mandar alguém ao inferno pois, se isso fosse verdade, estariasse admitindo a eternidade do mal e, como sabemos D'us é eterno e ter algo fora de D'us que sempre existirá é um absurdo! E como D'us pode “julgar” alguém ao “fogo eterno” se o homem tem um tempo de vida curtíssimo? Acreditar nisso é ter uma idéia muito pequena sobre D'us e o mundo.

Os homens criaram sistemas dogmáticos para dominar muitos, confortar outros muitos. Cada indivíduo acredita naquilo até onde sua capacidade permitir, ou naquilo que conforta mais seu coração.

A prática do bem deveria ser desinteressada, ela deveria ser o seu próprio objetivo. Muitos praticam o bem esperando uma recompensa, seja nessa vida ou na outra. Maimônides disse que o ideal era prática da própria virtude, sem interesses mas, de alguma forma, também é válido praticar o bem esperando uma recompensa. Como falou Spinoza: “A suprema felicidade não é a recompensa da virtude, mas é a virtude em si mesma.”

Um comentário:

Vanessa disse...

O que vem do pó volta para o pó. O que é dos mundos espirituais volta a Deus. Acredito, como bahái, que a verdadeira vida é a vida da alma, ela é eterna, dura enquanto durar o Reino de Deus.Após a morte física nossa alma alça vôo aos mundos espirituais de Deus, como um pássaro que abandona sua gaiola (corpo). A gaiola quebra mas nada acontece com o pássaro, ele agora se livra de um mundo, de um espaço limitado.Os mundo espirituais estão tão próximos de nós como este mundo está para uma criança no ventre materno. O mundo do ventre é um mundo. A criança permanece no ventre da mãe por 9 meses, está ali para desenvolver seu membros, olhos, pulmões, embora ela não saiba para quê, por mais que a mãe tente explicar a ela, ela não terá capacidade de entender.Então, após este período ela nasce pra este mundo, e morre para o outro. Então, o que estamos desenvolvendo neste mundo aqui? O que serão nossas pernas, nossos braços, nossos pulmões no próximo mundo???Vamos pensar...................................................................................................Estamos aqui pra desenvolver qualidades espirituais, amor, solidariedade, desprendimento, paciência, compreensão, sabedoria, radiância, alegria.
Quando morremos para este mundo, nascemos para outro...nossa alma continuará a evoluir até chegar a presença de Deus.
Um abraço a todos!