domingo, 9 de dezembro de 2007

O que D'us fazia antes de criar o Universo?

O que D'us fazia antes de criar o Universo?


“O que D'us fazia antes de criar o Universo?” Essa pergunta foi feita por santo Agostinho (século V) em seu livro de Confissões. Alguns (na época) respondiam que Ele preparava a Geena (inferno) para quem fizesse tal tipo de pergunta. Essa pergunta nos leva a cair em várias questões embaraçosas, mas que tentaremos descomplicar (ou complicar mais ainda).



D'us não está relacionado ao espaço e ao tempo.

É da premissa das religiões monoteístas (judaísmo, cristianismo e islãmismo) que D'us é o Ser necessário, sempre existiu e sempre existirá e que Ele é infinito. Essas religiões também se baseiam na criação ex nihilo (do nada). D'us criou o Universo do Nada. Mas como surgiu na essência de D'us “criar” o Universo? Foi algo subto?

Como já abordei em outros tópicos, em D'us não pode ocorrer nenhuma mudança, e nele nada pode ser acrescido nem retirado. Uma mudança ocorre de uma necessidade, busca de algo que não possua e isso em D'us é um absurdo. A “vontade de D'us” é imutável, pois, em D'us, vontade, essência e existência são idênticas, eternas e imutáveis. Tudo o que existe provém de uma única “ação” divina, ou seja, nada foi e nem será acrescido nas leis da Natureza e no Universo para “ajustar” a criação, pois, se caso fosse verdade, cairíamos em contradições como acima foram mencionadas.

O comentário árabe de Abu Ali que fala sobre a manifestação de D'us sobre o Sinai (Exodo, XIX, 20): " De fato, é inadmissível que se trate aqui do Criador, que não é suscetível nem de ser definido nem qualificado, que não poderia ser compreendido no espaço. Mais ainda, não se pode dizer que Ele está no mundo, nem que está fora do mundo; pois semelhantes qualificações são convenientes às criaturas incluídas no espaço e acessíveis ao movimento. De fato, D'us não está suscetível ao espaço e ao tempo, como afirma Maimônides e Santo Agostinho. Como dizer que D'us está “dentro” ou “fora” do Universo? Caso afirmemos uma ou outra coisa, estamos colocando uma limitação espacial em D'us, o que é uma contradição com tudo o que afirmamos até aqui. O espaço e o tempo foram criados, segundo Maimônides e Agostinho.

O pensamento cabalístico (místicismo judaico) fala que o Ein Sof, o que podemos dizer como o Infinito, era a única coisa que existia. E um ato, fez surgir em sua essência uma região esférica, minúscula, na qual D'us se “retirou”, e essa região foi se expandindo, adquirindo forma. E, em consequência, tem-se uma contração na divindade. Essa “contração” e “expansão” é chamada de Tzimtzum. Como deu para reparar, esse relato de criação é bem semelhante à teoria científica mais aceita sobre o Universo, o Big Bang. Nos primórdios do Universo, toda a matéria/energia estava concentrada em um ponto de volume zero, chamado singularidade, que passou a se expandir. Mas tenhamos cuidado: o relato cabalístico, que é do século XII, não tem, a priori, nenhuma base científica e observacional, pois, naquela época, não existiam instrumentos e teorias para sustentar tais hipóteses.

O relato cabalístico do Tzimtzum é bem elegante mas é contraditório com tudo o que acreditamos seja admitido em D'us. Como ocorrer um “contração” em Sua essência, já que não existia o espaço e, mesmo que existisse, D'us não tem relação com ele (o espaço).? E uma região limitando a existência de D'us?

A ciência nada pode afirmar sobre o que ocorreu antes do Big Bang, pois as leis físicas não explicam os fenômenos no momento em que toda a matéria do universo estava na singularidade. E, além do mais, o espaço e o tempo não existiam segundo a resolução das equações da relatividade.


Então, o que D'us fazia antes de criar o Universo?

É preciso tomar cuidado com os antropomorfismos dados a D'us, pois nos levam a idéias contraditórias. Agir ou deixar de agir (ociosidade) levam a idéias de movimento e ausência dele. Nossa linguagem é muito limitada e, para tentar falar de algo que transcende todo o nosso conhecimento, temos que ficar sempre alertas em nossas palavras.


No tópico sobre “Milagres”, falei que a “Vontade de D'us” é a própria “Lei da Natureza”. E dissemos acima que D'us não tem limitação e que não podemos afirmar que D'us está “dentro” ou “fora” do Universo. Então o que podemos concluir? Como já mencionamos outras vezes a passagem do Bereshit Rabbá: “D'us é a morada do Universo e não este a sua morada.” O Universo é uma parte de D'us. Sendo o Universo como uma “parte” de D'us, então a essência que constitui o Universo é a mesmíssima essência do próprio D'us. O que conseguimos enxergar do mundo é uma parcela ínfima dessa essência e um pequeno entendimento da Lei da Natureza, que expressa a vontade divina.

Em D'us não sobrevem nenhuma vontade momentânea. O “criar” do Universo faz parte de Sua eterna essência.

Um comentário:

khezia disse...

o que ele fazia? não somos capazes de responder....o cérebro de uma formiga pode até ser muito útil lá no formigueiro , vivendo em sociedade com outras formiguinhas...mas elas simplesmente não compreendem o nosso mundo...e talvez não saibam da nossa existência....Muitas vezes passam docemente e inocentemente perto de nossos pés podendo ser esmagadas...sobem nas nossas mãos ( formigas de doce) poderíamos ali esmagá-las...Nós as percebemos mas..elas parecem alheias....O nosso "tamanho" é muito grande perto do delas....caminham por cima dos móveis...passam pelas nossas ruas...nossos objetos e não percebem que estão no nosso mundo e não no "delas"...Sua missão é carregar aquelas folhinhas para o formigueiro...produzir o alimento , se multiplicarem...O cérebro do homem? elas nem sabem o que é um homem ou um cérebro...humano.....somos formigas cegas perto de D-us..passamos pela sua mão podendo ser esmagados por elas.....mas Ele olha e seguimos em frente....estamos no Universo dele e não enxergamos muitas coisas...não enxergavamos as bacterias etc shalom