sábado, 26 de janeiro de 2008

D'us põe os homens a prova?



Em várias circunstâncias da vida, quando passamos por situações que exigem grande dedicação, pensamos que D'us está nos colocando a prova. E algumas passagens bíblicas parecem confirmar esta idéia, como no caso em D'us pede a Abraham que sacrifique seu filho único, Isaac, para que prove a sua fé. D'us precisa que provemos a nossa fé?



D'us não está sujeito ao espaço e ao tempo

D'us como o Ser necessário, ou seja, tudo existe a partir de Sua essência, que é o mesmo que Sua existência, sempre existiu. Não é limitado pelo tempo nem pelo espaço. O espaço e o tempo foram criados, como afirmam santo Agostinho e Maimônides e, também afirmado pela Física moderna. Então, podemos dizer que para D'us é um eterno presente e que Ele é imóvel, como Tomás de Aquino, pois D'us é o ente que, pela nossa percepção, pode ser dito de extensão infinita.



Conhecimento que D'us tem sobre as coisas

O conhecimento que D'us detém sobre o Universo é diferente da do homem. O homem tem um conhecimento a posteriori, ou seja, ele conhece as coisas pela relação de causa e efeito. A partir de uma proposição, pensa em cima de suas experiências e conhecimentos, e conclui.Regras de implicação. “Penso” e “concluo que”.

Em D'us já não ocorre assim. Primeiro, o conhecimento de D'us é a priori, ou seja, sabe antecipadamente o que ocorre, pois Ele é o autor da obra, sabe todos os detalhes. Nada pode fugir do seu conhecimento, nenhum pensamento, nada. E segundo, que como D'us não provém nenhuma mudança e não está sujeito ao tempo, seus pensamento não estão em linha de causa e efeito. Ele tem uma “visão” simultânea das coisas, ou seja, a simultaneadade de causa e efeito, Ele vê as causas e os efeitos como idênticos. D'us não precisa concluir as coisas. As causas são as próprias conclusões.



D'us nos põe a prova?

No Guia dos Perplexos (Tomo 3 – capítulo XXIV) o Rambam fala sobre as passagens bíblicas nas quais parecem que D'us , ao infligir males ao homem parace submetê-los a prova de sua fé.
Maimônides diz que estas passagens não podem ser tomadas literalmente, pois D'us não tem necessidade de tais 'provas' para conhecer o sentimento íntimo do ser humano. Maimônides também diz: " As provas das quais a Escritura fala não tem outro objetivo senão regras de conduta ou ensiná-los o que devem crer ou fazer, tomando como conduta do homem piedoso, nos quais a fé e a perseverança permanecem firmes em momentos críticos."

No relato referente à Abraham que concerne o sacrifício de Isaac, Maimônides diz , encerrar duas grandes idéias que são fundamentais na religião. A primeira é fazernos saber o limite entre o amor e o temor à D'us. A Abraham se ordenou que fizesse uma coisa que não poderia comparar-se com nenhum sacrifício material, nem a um sacrifício da vida, era uma coisa extraordinária que a natureza humana não seria capaz de aceitar. Um homem de idade, com um imenso desejo de ter filhos, possuidor de grande fortuna e estima, de tanto desejar este filho e o tem, então quanto amor este pai possui por esse filho! Porque teme à D'us e porque deseja obedecer sua ordem, faz pouco caso de seu querido filho. Renuncia a tudo o que havia esperado dele e ciente em imolá-lo depois da vários dias de viagem. Se Abraham tivesse se apressado a fazer no mesmo instante em que havia recebido a ordem, teria sido um ato desorientado e precipitado, sem demasiada reflexão. Mas, ter realizado esse ato vários dias depois de ter recebido a ordem, implica reflexão e pensamentos maduros; uma prova de respeito que merecia a obra de D'us, assim como do temor e de amor de D'us.
O Rambam conclui: " Não há de crer que D'us queira provar e experimentar uma coisa para chegar a saber o que já sabia antes. Pois Ele está muito acima do que imaginam, em seus pensamentos perversos, os homens ignorantes e estúpidos! "

De fato D'us não necessita saber o que pensamos ou sentimos, pois está escrito: "(...) D'us sonda o abismo e o coração humano, e penetra os seus pensamentos mais sutis. Pois o S'nhor conhece tudo o que se pode saber, Ele vê os sinais dos tempos futuros; Anuncia o passado e o futuro. Nenhum pensamento lhe escapa, nenhum fato se esconde a seus olhos." ( Eclesiástico 42: 18ss)

E como disse santo Agostinho: "D'us nos conhece melhor que à nós mesmos."

2 comentários:

Duny disse...

Concordo contigo,ele nos poe a prova 24 horas ao dia.Tenho experiencias,que sao verdadeiras essas suas colocacoes a respeito,curioso e ao mesmo tempo interessante,sao enrriquecedor ao nosso lado espiritual nao tem como explicar com palavras.Tem na biblia sagrada uma parte que diz:Aquele q tiveres sinal,falara a em linguas e profetizarao em meu nome,este sera meu filho....bjs Frank.

Vanessa disse...

"Ó FILHO DO SER!

Não te ocupes com esse mundo, pois com o fogo experimentamos o ouro e com o ouro pomos à prova os Nossos servos."

Esta palavra oculta de Bahá´ú´lláh nos remete a pensar que Deus nos testa através do fogo das provações, assim como um ourives testa o ouro. Para saber quão puro é o ouro , o submete a altas temperaturas. Ele então, também testa nosso desprendimento, nosso desapego. Nada devo colocar entre mim e meu Senhor.